Conectividades e Conexões

Precisamos olhar os nossos problemas, mas também precisamos entender o que está acontecendo no mundo, ao nosso redor.

Sempre vejo steakholders da educação e educadores discutindo a questão da conectividade. E aí vai uma notícia chocante: a questão da conectividade, sob a ótica tecnológica, está vencida. Digo isso, porque a tecnologia não é mais barreira. Falta, na realidade, vontade política, priorização das ações, recursos e  preparação do peopleware. Mas vamos tratar isso por partes.

Tecnologia

Hoje, se houver vontade política, prioridade e uma boa articulação, pode-se conectar as escolas brasileiras com uma velocidade, pelo menos, 3 vezes maior do que a que temos nas residências das grandes capitais.

Um exemplo disso é o projeto Escolas Rurais Conectadas.

O Escolas Rurais Conectadas, além de fato conectar, gera uma redução do custo com infraestrutura e manutenção de IT nas escolas. Ora, se isso é possível de ser feito na área rural, imagine na área urbana. (recomendo uma passada pelo estudo realizado pela Universidade de Columbia, tocada pelo IBGE e  patrocinada pela Qualcoom).

A grande questão, está em querer realmente resolver o problema. Investir em desenvolvimento de aplicativos e soluções pedagógicas que sejam atrativos e gerem engajamento dos jovens.  Não vou nem falar do 0800 dados, que hoje,  no país, é utilizado estrategicamente somente pelo setor privado.

Esse conceito de 0800 dados pode ser expandido. Imagine você franquear sites e conteúdos educacionais de forma a gerar bônus de navegação para o jovem, podendo ele usar como quiser esse bônus. Ou seja, a cada 60 minutos de investida no aprender, o jovem teria 10 minutos de bônus.

Para entender o 0800 dados

Com isso, criaríamos um outro espaço para investimentos em desenvolvimento de aplicativos  de aprendizagem que poderiam ser acelerados por governos, empresas e operadoras de telefonia.

Bem, mas na realidade, em todos os fóruns que discutem a conectividade, vejo muita gente feliz, dizendo que compraram computadores, projetores, tablets e que a “política” está no caminho certo. Fico assustado. Na verdade, os impactos dessa tal conectividade não se reflete no desempenho, no engajamento ou na contenção das taxas de evasão, por exemplo, do ensino médio.

Hardware & Peopleware

É preciso entender que comprar hardware, não resolve a questão da conectividade. É preciso muito mais. É preciso olhar para o peopleware. É preciso preparar os diretores, os coordenadores pedagógicos, os professores e os alunos.  Nesse ponto, estou certo de que nos surpreenderemos, pois os alunos terão um papel crucial para acelerar o processo de absorção das novas formas de aprendizagem dentro da escola, ou seja, a criação de um novo mindset,baseada em tecnologia.

O jovem e seu protagonismo como um agente possível e catalizador de mudança.

Assim, o grande desafio é a conexão entre a tecnologia e os atores escolares (gestores, técnicos, coordenadores pedagógicos, docentes e alunos), enquanto a conectividade, parece-me, é apenas uma questão de boa vontade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *